terça-feira, 17 de outubro de 2017

Vereadores em Caxambu exercem seus mandatos de graça! Os contra-cheques dos prefeitos, vereadores e professores de lá e de cá.


E aqui uma sensacional notícia! Se não fosse uma notícia publicada  no 30 de abril de  1949, no jornal O Patriota, de Baependi, e não no dia 1°, dia da mentira,  e o fato ter se dado na administração do prefeito de Caxambu doutor Lysandro Carneiro Guimarães (1947-1951). Mas era verdade. Os vereadores, em número de 9 exerceram os seus mandados, gratuitamente, sem pesar no orçamento da prefeitura, nem no bolso dos contribuintes.

Enquanto isso na vizinha Baependi

Mas havia discrepâncias na região. O prefeito da vizinha Baependi recebia somente 2.600 cruzeiros, um pouco mais da metade do seu colega de Caxambu. A despesa com ajuda de custo anual com os 11 vereadores era de 33.000, cruzeiros, isto é, 3.000,00 cruzeiros por ano, ou 250,00 por mês, por vereador. Segundo o jornal, o melhor salário pago era para o Chefe do Serviço da Secretaria, de 1.900,00 cruzeiros e o pior... adivinhem? O de professora: 220,00 cruzeiros por mês, só perdendo para o "auxiliar de datilografia", que hoje ninguém mais sabe que profissão é essa, com vencimentos anuais de 1.600,00 cruzeiros, anuais, dito, isto é, menos que 140,00 cruzeiros por mês. Pelas contas em Baependi um vereador ganhava 30 cruzeiros a mais que uma professora. Não era o máximo? Ou o mínimo? Façam vocês mesmos os julgamentos.

Fonte:
Jornal O Patriota, 1949
Revista do Serviço Público, Rio de Janeiro

Um comentário: